31 de jan de 2010

Cleiton Batista Neiva, Luiz Carlos da Costa e Sergio Vieira de Mello








por George Felipe de Lima Dantas
em 31 de janeiro de 2010

A tragédia do terremoto no Haiti em janeiro de 2010 ceifou várias vidas de servidores civis internacionais e membros civis e militares da Missão da ONU para Estabilização do Haiti (MINUSTAH), incluindo vidas de vários brasileiros, hoje mártires da causa internacional. Entre eles estão Luiz Carlos da Costa e Cleiton Batista Neiva.

Luiz Carlos desempenhava uma honrosa função de representação do Secretário-Geral da ONU para o Haiti, acumulando a posição de "segundo em comando" da MINUSTAH. Cleiton está citado pela ONU na postagem "Confirmed fatalities among all UN staff (comprehensive list)" [fatalidades Confirmadas entre todos os servidores das Nações Unidas (lista detalhada)] como "Associate Security Officer" [Oficial Assistente de Segurança] da MINUSTAH. Antes disso ele fez parte da MINUSTAH como UNPol do Brasil com origem na Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). Cleiton, no momento em que pereceu, permanecia nos quadros da PMDF em licença temporária, já que não foi reconduzido ao cargo de UNPol de país membro, mas sim de "staff" com relação direta com a MINUSTAH

Luiz Carlos e Cleiton possuem paralelos de trajetória pessoal que vão além do fato de serem mártires pela mesma causa comum internacional, ainda que em diferentes funções na ONU e no Haiti. Ambos são exemplos de jovens brasileiros vocacionados para o serviço internacional. O que logicamente os separa, função das próprias idades, é o momento em que engajam no serviço internacional, Luiz Carlos no final da década de 1960 e Cleiton no início dos anos 2000. São os mesmos cerca de 30 anos de diferença em idade cronológica.

Cleiton e Luiz Carlos, como outros brasileiros, viram no serviço internacional uma causa por abraçar, aceitando o desafio de conquistar posições "de baixo para cima" e até mesmo sofrer retrocessos e revezes pessoais em prol do enfretamento corajoso desse desafio benfazejo. Por razões que não cabe aqui aventar, abraçar a causa do serviço internacional para brasileiros é algo especialmente difícil, já que diferente de outros países parece existir uma "invisibilidade" acerca dos valorosos brasileiros que passam a fazer parte, de maneira permanente ou temporária, dos quadros de organizações internacionais como a ONU.

Ainda que a Carta da ONU estabeleça critérios de proporcionalidade de seus quadros de servidores em relação aos países de origem deles (e hoje também em termos de gênero/sexo), parece que o Brasil sofre uma desproporção qualitativa em relação a tal critério. Ou seja, talvez o país pudesse ter um maior número de dirigentes de maior escalão nas organizações internacionais, ainda que na proporção genérica estivesse numericamente representado de maneira compatível em relação a outros países. Tal conjectura está alinhada com a aspiração de “liderança moral” de um Brasil parte do “BRIC”, e que ainda está por ser equalizada com o “peso de fato” que uma visão realista empresta ao país por suas características continentais.

Na ONU é voz corrente que a instituição meramente reflete a posição política de seus membros. Vários desses membros percebem que uma liderança político-administrativa interna naquela organização internacional, por seus nacionais, deva ser estimulada e promovida. Outros não.

Cleiton Batista Neiva, Luiz Carlos da Costa e Sergio Vieira de Mello (em ordem alfabética dos nomes) são exemplos de mártires atuando em prol da comunidade das nações, não deixando margem a dúvida acerca do valor da participação brasileira na Organização das Nações Unidas. O exemplo deles deve ser cultuado, estimulado e promovido em relação aos brasileiros das gerações futuras.






Nenhum comentário: