17 de ago de 2009

Ético até mesmo depois de 'dirigir sob a influência do álcool'?


por George Felipe de Lima Dantas

12 de agosto de 2009

O periódico norte-americano "The Washington Times" (WT), na sua edição de 29 de julho de 2009, traz a notícia de que o chefe de polícia da cidade de Alexandria, Estado de Virginia (de 58 anos de idade) -- renunciou ao cargo no dia 28 de julho (terça-feira), depois de ter sido preso em 25 de julho (sábado) por conduzir um veículo “driving under the influence” (DIU), mal traduzindo, “dirigindo sob a influência de bebida alcoólica”.

O interessante da notícia não é o foco no acontecimento ele próprio (a notícia inclusive é pouco detalhada em relação aos fatos ocorridos). O interessante é a atitude do chefe policial ao renunciar e talvez, mais interessante ainda, a maneira como a renúncia do ex-chefe de polícia é depois retratada pela mídia na matéria de Melissa Giaimo, jornalista que assina a reportagem do WT.

Igualmente interessante, mais ainda para um observador brasileiro, são as manifestações da comunidade local em relação ao fato e vis-à-vis o apreço por sua instituição policial. Não menos notável é o quanto a sociedade norte-americana dá importância e reprime a condução de veículos por alguém considerado alcoolizado nos termos das normas locais. Ambas as situações contrariam a praxe do que teria acontecido em outros locais do mundo: enxovalhar o ex-dirigente e a própria instituição policial ou, talvez, quem sabe, minimizar a questão da embriaguez no trânsito...

O ex-chefe de polícia, segundo consta no WT, teria declarado "É com grande humildade e remorso que anuncio minha aposentadoria do Departamento de Polícia de Alexandria". Para os policiais, as palavras do chefe demissionário teriam sido de "Agradecer por terem permitido o privilégio de servi-los. Eu não poderia ter pedido para trabalhar com um grupo de profissionais de segurança que fosse melhor, mais capaz ou mais cheio de compaixão pelo próximo".


"Please don't lie to me, unless you're absolutely sure I'll never find out the truth.


Ashleigh Brilliant (UK, 1933)


"Por favor não minta para mim, a menos que você esteja absolutamente certo de que eu nunca descobrirei a verdade."

O advogado do ex-chefe de polícia, segundo a notícia, teria considerado a renúncia como o resultado da contraposição, em termos éticos e de espírito público, entre a vontade de permanecer no cargo e uma avaliação pessoal do potencial de desgaste da instituição diante da comunidade face o ocorrido. Isso pode nos reportar a crises de muito maior âmbito ocorrendo no Brasil e nas quais os comportamentos de seus protagonistas são totalmente opostos do envolvido no evento de Alexandria.

O prefeito da cidade também é citado na notícia como tendo sido favorável ao desfecho do incidente, mormente em relação que fez prontamente, diante dos fatos, o ex-chefe do Departamento de Polícia de Alexandria. Isso sem deixar de referir, expressamente: "Esperamos que esse incidente infeliz não venha a eclipsar o serviço estelar e compromisso que ele mostrou para a cidade de Alexandria durante seus anos de serviço". E complementou, "Deploravelmente, essa é uma decisão sábia, para permitir que o departamento de polícia e a cidade sigam adiante".

O ex-chefe de polícia de Alexandria assumiu o cargo em setembro de 2006, depois de já estar por 15 anos em seus quadros. Ele também já havia pertencido ao Departamento de Polícia Metropolitana do Distrito de Colúmbia por 20 anos. Ou seja, um profissional de segurança pública com mais de três décadas de serviço...

É exemplar, não só para os policiais e para a comunidade de Alexandria, como também para os operadores políticos de muitas outras atividades e locais, a observação do vice-prefeito Kerry Donley sobre o incidente: “O chefe de polícia está sendo responsável por suas ações. Isso é realmente um ‘recado’ forte que fica desse episódio desafortunado. Mais do que qualquer outra coisa“.
Fonte da imagem:

Nenhum comentário: