16 de dez de 2010

Conhecimento Prévio sobre Mohamed Atta (11 de setembro de 2001) -- Audiência Legislativa sobre "Operação Able Danger"/Tenente Coronel Anthony Shaffer


Fonte do vídeo:http://www.youtube.com/watch?v=uJvABLaMUT8
por George Felipe de Lima Dantas
em 16 de dezembro de 2010

Análise de Vínculos em Fontes Abertas: Um "Google em Esteróides" (Lições Aprendidas?)

George Felipe de Lima Dantas
27 de setembro de 2010

A descoberta da materialidade e autoria de crimes com o concurso da atividade de Inteligência, no caso de ações terroristas e com a utilização das técnicas e tecnologias da Análise de Vínculos, volta ao cenário internacional. Isso pode ser detectado pelas notícias jornalísticas (incluindo a rede de televisão CNN e o jornal The New York Times como fontes) veiculadas nos Estados Unidos da América (EUA) em setembro de 2010.

As fontes citadas apontam que o Ministério da Defesa (vulgarmente conhecido como “Pentágono”) dos Estados Unidos da América (EUA) teria comprado recentemente todos os dez mil exemplares de uma obra literária, ainda por ser lançada no prelo, tendo em vista que parte do conteúdo abarcaria questões sigilosas da área de segurança nacional dos EUA. A compra da edição inteira do livro teria sido feita pelo Pentágono, visando com isso impedir a disseminação pública de conteúdos considerados comprometedores por órgãos norte-americanos de Inteligência.

O título do livro é "Operation Dark Heart" (“Operação Coração Escuro”) e vai assinado por Anthony Shaffer, Tenente-Coronel do Exército dos EUA, especialista em Inteligência. A obra é um livro de memórias do militar autor, quando da sua passagem com o Exército dos EUA pelo Afeganistão em 2003. Ele deverá ser relançado, em uma nova edição, da qual estará excluído o conteúdo constante da versão inicial e que foi considerado comprometedor para a segurança nacional norte-americana.

O episódio traz Shaffer de volta ao noticiário, já que ele protagonizou um papel central na indicação de que Mohamed Atta, um dos autores da ação terrorista de 11 de setembro contra os EUA, teria sido alvo de operações de Inteligência realizadas pelo grupo Able Danger (“Perigo Capaz”), ainda no ano 2000, grupo ao qual o oficial norte-americano pertenceu. Anthony Shaffer, ainda naquele mesmo ano, teria levado aos escalões competentes indicações que apontariam a necessidade de dar sequência aos esforços de Inteligência focados em Atta, o que não aconteceu. O episódio ficou conhecido como “A Controvérsia Able Danger”.

A hoje famosa “Controvérsia Able Danger” está centrada em um relatório de Inteligência supostamente elaborado no ano 2000 e do qual consta referência ao nome de Mohamed Atta. No documento, a referência feita ao nome de Atta resulta de informações obtidas com a utilização de um programa de Mineração de Dados e Análise de Vínculos sobre “Fontes Abertas”, programa esse também denominado Able Danger. Na mesma circunstância teria sido identificado não só Mohamed Atta, mas também duas das três células terroristas e que depois seriam apontadas como parte da rede responsável pelo ataque de 11 de setembro.

O “tema Shaffer” já houvera sido explorado antes nos EUA. Shaffer foi entrevistado sobre a “Controvérsia Able Danger” no programa radiofônico Talk of the Nation (17 de agosto de 2005) da National Public Radio (“Rádio Pública Nacional”). É nessa entrevista que a utilização das técnicas e tecnologias da Análise de Vínculos em Fontes Abertas, do que resultou a identificação de Mohamed Atta antes da tragédia do 11 de setembro de 2001, é referida como “um Google em esteróides"...

É necessário refletir sobre o tema, já que ele parece apresentar uma importante questão -- de critério -- para aqueles que fazem parte de seletos grupos decisórios de gestão do conhecimento estratégico. A “Controvérsia Able Danger” certamente deve constar entre as "Lições Aprendidas" pelos operadores da atividade de Inteligência do Brasil, mormente considerando as responsabilidades de um país que será sede de importantes eventos internacionais no futuro próximo.

2 comentários:

informação disse...

Caro Professor George Dantas; muito importante está sua reflexão, fotos ainda desconhecidos por muitas autoridades e que deveriam ser compreendidos pelos operadores de sistemas de segurança pública

Jorge Wander
Tecnólogo em Geoprocessamento

Blogandosegurança disse...

Prezado Wander:

É interessante notar, observadas as eventuais diferenças entre os respectivos contextos tradicionais (Segurança Pública e Segurança Nacional), uma necessária vinculação de complementaridade entre resultados analíticos da "Inteligência Clássica" e da "Análise Criminal" em prol da gestão da segurança pública. O caso "Able Danger" aponta um resultado bastante efetivo da associação da Análise Criminal (Análise de Vínculos), juntamente com a Análise de Inteligência (fruto de "Operações de Inteligência"). Enquanto a "Análise de Inteligência" permanece como seara do conhecimento predominantemente de outros agentes de Estado, que não o dos operadores da segurança pública, a da "Análise Criminal", por sua vez, está consolidada principalmente na produção de conhecimento trabalhado no meio acadêmico. Os agentes da segurança pública que despontam pelas atividades que desenvolvem no setor, muitas vezes tendem para uma ou outra vertente, quando parece que a vertente integrada é o caminho a seguir: Inteligência de Segurança Pública com foco em Análise Criminal.




Caro Professor George Dantas; muito importante está sua reflexão, fatos ainda desconhecidos por muitas autoridades e que deveriam ser compreendidos pelos operadores de sistemas de segurança pública.

Jorge Wander
Tecnólogo em Geoprocessamento

18 de dezembro de 2010 00:56