18 de fev de 2010

A "Caixa de Ferramentas" do Analista Criminal


Fonte do documento em inglês: it.ojp.gov/documents/analyst_toolbox.pdf

A "Caixa de ferramentas" do analista criminal apresenta os resultados de extensas pesquisas da Associação Internacional de Analistas de Inteligência Policial (International Association of Law Enforvement Intelligence Analysts – IALEIA) sobre o tema em "fontes abertas" baseadas na web e respectivos equipamentos hoje em uso por polícias norte-americanas locais, estaduais, federais e tribais.


IALEIA

A Associação Internacional de Analistas de Inteligência Policial (International Association of Law Enforvement Intelligence Analysts – IALEIA) é a maior organização profissional mundial de analistas de inteligência policial. A IALEIA não tem fins lucrativos, estando baseada nos Estados Unidos da América (EUA). Fundada em 1980, é dirigida por um Conselho Diretor Internacional de nove membros eleitos pelos afiliados da organização. Possui também um Conselho Assessor apontado pelo presidente do Conselho Diretor. A organização possui “capítulos regionais” em vários países do mundo, incluindo o Brasil.

IALEIA-Brasil

O “Capítulo Brasil” da IALEIA está sendo presidido até 2013 pelo Procurador de Justiça Denilson Feitoza Pacheco, depois de ter sido fundada em “Assembleia-Geral” no dia 22 de outubro de 2010 em Belo Horizonte. Naquela ocasião, a IALEIA-Brasil foi constituída formalmente como associação, nos termos das leis brasileiras. Além do procurador de Justiça Denilson Feitoza tomaram posse Francisco Vicente Badenes Júnior (Delegado da Polícia Federal), como 1º vice-presidente; George Felipe de Lima Dantas (Doutor em Educação e Tenente Coronel reformado da Polícia Militar do Distrito Federal), como 2º vice-presidente; Flávia Galindo Silvestre (Doutora em Farmacologia e Perita Criminal), como tesoureira; e Luiz Augusto Soares de Andrade (Promotor de Justiça e Especialista em Inteligência), como secretário.

Objetivos da IALEIA e da IALEIA-Brasil

De acordo com o atual Presidente da IALEIA-Brasil, "a Ialeia Brasil promoverá não somente a qualidade, a eficiência e a ética da análise de inteligência, mas também da administração da inteligência, contrainteligência, operações de inteligência e profissões auxiliares."

Os objetivos específicos da Ialeia são os seguintes:

- melhorar o entendimento público e oficial do papel da análise de inteligência; estimular um reconhecimento mais amplo da prática da análise de inteligência como um campo profissional;

- desenvolver normas de qualificação e índices de competência para o exercício da profissão;

- reforçar os conceitos de profissionalismo, dedicação ao serviço e integridade entre os profissionais de análise de inteligência;

- elaborar e apoiar padrões profissionais de desenvolvimento de carreira para os analistas, incluindo educação pré-emprego, normas de recrutamento e seleção e programas de desenvolvimento profissional contínuo;

- facilitar a melhoria da qualidade de desempenho na análise de inteligência, fornecendo serviços de consultoria e afins;

- promover o estado da arte (nível mais alto de desenvolvimento) em análise de inteligência, fornecendo mecanismos para a disseminação de informações sobre técnicas e métodos analíticos; e

- conduzir pesquisas relacionadas à análise de inteligência e ao processo analítico, garantindo financiamento para tais pesquisas.

Realizações Correntes da IALEIA

Uma das realizações da IALEIA é a “Caixa de Ferramentas do Analista: Uma Caixa de Ferramentas para o Analista de Inteligência” (Analyst Toolbox: A Toolbox for the Intelligence Analyst).
.
A publicação “Caixa de Ferramentas” foi desenvolvida pela IALEIA, de conformidade com a Recomendação 12 do Plano Nacional de Compartilhamento de Inteligência Criminal [National Criminal Intelligence Sharing Plan (NCISP)] do Conselho de Coordenação de Inteligência Criminal (Criminal Intelligence Coordinating Council). Tal plano é endossado pelo órgão norte-americano equivalente ao Ministério da Justiça do Brasil ([U.S. Department of Justice (DOJ)] e pelo Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos [U.S. Department of Homeland Security (DHS)], bem como por várias organizações policiais norte-americanas, tudo isso visando aperfeiçoar a qualidade da inteligência criminal dos EUA.

Recomendação 12:

A Associação Internacional de Analistas de Inteligência policial deverá desenvolver, em nome do Conselho de Coordenação de Inteligência Criminal, padrões mínimos para a análise de inteligência, de modo a assegurar que os produtos de inteligência sejam precisos, oportunos, factuais e relevantes, recomendando a implementação de políticas e/ou ações. As organizações policiais deverão adotar esses padrões, tão logo sejam desenvolvidos e aprovados pelo Conselho de Coordenação de Inteligência Criminal.

A "Caixa de Ferramentas" inclui a finalidade de equipamentos para "Análise de Vínculos", referindo que eles estão voltados "para associar informações de fontes de dados estruturados e mostrar graficamente os vínculos entre as entidades correspondentes. Também é útil para documentar fontes de dados e contribuir para a descoberta e identificação de vínculos entre bases de dados extensas e complexas. Esse tipo de software pode também incluir a capacidade de geração de linhas temporais e fluxogramas".



Quanto ao conceito da utilização de equipamentos para "Análise de Vínculos", o mesmo documento aponta que "O software de análise de vínculos pode mostrar visualmente vínculos ou relações, incluindo análises de associações e relações hierárquicas (i.e. hierarquias do crime organizado)".

Recomendação:

Examinar a outra postagem (mais recente) do Blog e que está associada ao mesmo tema:
Postagem associada:

Examinando o Conteúdo da "Caixa de Ferramentas" do Analista Criminal

5 comentários:

Hugo Gutterres disse...

É interessante destacar também que, ao trazer a análise para o campo VISUAL, um dos elementos instintivos dos mais primários que exercemos desde o momento em que chegamos a esse mundo se mostra bastante poderoso. Ao sairmos do universo de linhas e colunas, partindo para algo "que está ali", permitimo-nos deixar uma série de percalços que podem distrair o analista, focando tão somente na análise em si.

marquesxmail@gmail.com disse...

Caro amigo Dantas, em primeiro parabenizar o trabalho dedicado a fim de aumentar o nível dos profissionais de intel, notadamente os analistas. Aponto uma pequena correção na data de fundação do Capítulo Brasileiro da IALEIA, que ocorreu em Out 2010 e não de 2011. Acrescento tb a sugestão para que comente a necessidade de acompanhamento psicológico para os analistas, visto que são obrigados a se projetarem para uma realidade distorcida, criminal, como forma de compreenderem o fenômeno, impactando, inexoravelmente, em sua integridade psíquica. No mais, tenha um excelente 2011!
Abraço, Márcio Marques.

Blogandosegurança disse...

Caro Márcio:
Agradeço a sua manifestação no Blog, mais que benvinda... A correção apontada por você é bastante oportuna, pela citação equivocada nossa de uma data futura (outubro de 2011)para um auspicioso evento já ocorrido no passado recente(outubro de 2010). Esperamos outras contribuições suas no sentido de expandir nossos conhecimentos e dos nossos colegas da área de ISP/Análise Criminal. A questão do impacto psicológico da atividade laboral será abordada, algo muito bem lembrado por você.

fernando paciello Jr disse...

Caro professor Dantas. O Capitulo Brasileiro é muito interessante, e, dentre os objetivos, o que mais sobressai é o estado da arte, e uma das mais importantes ações da IALEIA-Brasil é fazer chegar aos órgãos de segurança pública nacionais a existência e a importância da AC. Preparar, capacitar o policial para fazer uso das melhores técnicas, criando uma cultura própria, com educação constante, gerando os futuros gestores de SP.

Blogandosegurança disse...

Prezado Paciello:

Obrigado pelo comentário. Estamos trabalhando em prol dos objetivos da IALEIA-BR apontados em seu comentário, incluindo o que vem sendo difundido neste blog quanto ao "estado da arte" da ISP/AC, por exemplo, o chamado "policiamento preditivo". É um trabalho muitas vezes de pouca visibilidade, mas que ainda assim dá notícia "para os órgãos de segurança pública nacionais a existência e a importância da AC", conforme você também coloca em seu comentário. O corolário disso é, "Preparar, capacitar o policial para fazer uso das melhores técnicas, criando uma cultura própria, com educação constante, gerando os futuros gestores de SP", conforme você tão bem colocou.